Blog

Conectando ideias, inspirando conhecimento - Descubra o mundo no nosso blog!

Rede lança informativo sobre Brucelose e Trabalho

No dia 3 de junho, a Rede de Informações e Comunicação sobre a Exposição de Trabalhadores e Trabalhadoras lançou seu 13º Informe, dessa vez sobre Brucelose e Trabalho.

No dia 3 de junho, a Rede de Informações e Comunicação sobre a Exposição de Trabalhadores e Trabalhadoras ao SARS-CoV-2 no Brasil (Rede Trabalhadores & Covid-19) lançou seu 13º Informe, dessa vez sobre Brucelose e Trabalho.

O objetivo é divulgar informações sobre a doença zoonótica Brucelose. A zoonose, conforme define a OMS, é uma doença infecciosa transmitida entre animais e seres humanos, cujos patógenos podem ser bactérias, vírus ou parasitas.

O Informe explica que no caso da BH (Brucelose Humana), a transmissão pode estar relacionada ao trabalho, a partir do contato com animal infectado. “É causada por bactérias do gênero Brucella, tratando-se de uma enfermidade debilitante que pode levar à incapacidade para o trabalho.

se dar em diversos momentos da cadeia produtiva da carne e do leite, desde a criação, transporte, abate, manuseio de partes dos animais, e em algumas outras situações laborais, como na manipulação de produtos biológicos em laboratórios, por exemplo”, cita o material. Diante disso, a doença acomete, em especial, trabalhadores de frigoríficos, produtores rurais, médicos veterinários e seus auxiliares, além de técnicos de laboratórios. Segundo o documento, por muitas categorias de trabalho estarem expostas a essa bactéria/doença é importante alertar e divulgar informações para esses trabalhadores.

NEGLIGENCIADA

Apesar da possível relação com o trabalho e da importância de os trabalhadores conhecerem a doença, ela é uma zoonose negligenciada no país. Isso porque a Brucelose Humana apesar de incluída oficialmente na lista de doenças relacionadas ao trabalho, conforme a Portaria GM/MS nº 1.999/2023, não é de notificação obrigatória pelo SUS na maioria dos estados brasileiros. “Embora os impactos da Brucelose Humana para a saúde pública sejam reconhecidos em todo o mundo, sob o ponto de vista ocupacional, sanitário e econômico ela ainda é pouco conhecida por profissionais de saúde, tem diagnóstico complexo, é negligenciada e subnotificada”, esclarece o Informe.

Para Rita Mattos, coordenadora da Rede Trabalhadores & Covid-19 e coordenadora do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP/Fiocruz), ela é uma doença que deveria ter um Programa Especial de Atenção à Saúde dos Trabalhadores que envolvessem alguns Ministérios e diferentes secretarias tanto de ações de prevenção, diagnóstico e tratamento. “É uma doença que pode levar à incapacidade e deve ser valorizada como uma importante enfermidade.

Os destaques principais do Informativo são especialmente a forma de informação e comunicação para trabalhadores potencialmente expostos através de escrita acessível e de facilidade para a leitura” diz Rita.

Porém, para a coordenadora, o trabalho de divulgação da doença não deve parar. “Depois do lançamento do Informe notamos a necessidade de trazer mais produções informativas sobre esse tema”, destaca.

ACESSO

Participaram da autoria do texto Roberto Carlos Ruiz (coordenador do Informe, médico do Trabalho e doutorando pela UFSC), Allan de Campos Silva (geógrafo, mestre e doutor em Geografia Humana pela USP e pesquisador pós-doutorado pela UNESP), Elaine Maria Seles Dorneles (médica veterinária, doutora em Ciência Animal pela UFMG, professora pela Universidade Federal de Lavras), Glenda Ribeiro de Oliveira (médica veterinária, doutora em Patologia Animal pela UFRRJ, professora adjunta do Departamento de Medicina Veterinária de UFJF), Marcio Roberto Silva (médico veterinário, doutor em Saúde Pública pela UFMG, pesquisador Embrapa Gado de Leite e professor do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da UFJF), Ricardo José de Paula Souza e Guimarães (biólogo, doutor em Biomedicina, pesquisador do Instituto Evandro Chagas) e Tulio Vieira Mendes (médico veterinário e médico infectologista, professor de doenças infecto parasitárias da UFJF).

O 13º Informe está disponível no Observatório do Impacto das Doenças Infecciosas no Trabalho (DIT) (Observatório do impacto das doenças infecciosas no trabalho – | (fiocruz.br),um ambiente virtual concebido a partir do projeto Rede de Informações e Comunicação sobre a Exposição de Trabalhadores e Trabalhadoras ao SARS-CoV-2 no Brasil e que reúne diversas informações e produções voltadas para as doenças infecciosas que atingem o Brasil.

Por Paula Barcellos/Jornalista da Revista Proteção

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments